Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2008

O lado selvagem

 

No invulgar papel de realizador, Sean Penn presenteia-nos com o magnífico Into The Wild. Baseado na história real de Christopher McCandless, um jovem americano de vinte e três anos, que após concluir os seus estudos universítários, decide doar o resto da sua bolsa de pós-graduação a uma instituição de solidariedade e sair de casa para uma aventura pelo país profundo e selvagem, sozinho, em busca da sua identidade. Objectivo final, o Alasca.

Nessa viagem, Christopher conhece diversas pessoas que o ajudam no seu processo de crescimento e maturação, e acaba por entrar na vida dessas pessoas também.

A história é contada de uma maneira muito simples, até desarmante, e permite-nos acompanhar todo o percurso de Christopher, assim como da sua família, desesperada por nunca ter notícias suas.

A fotografia é fabulosa, e a banda sonora de Eddie Vedder, que já tinha ouvido há meses atrás e não me tinha despertado muita atenção, cria uma simbiose perfeita com o filme. É até um crime não estar nomeada pela Academia, nem a banda sonora nem nenhuma canção original.

Grandes expectativas agora para a carreira de Penn na realização. Espero que siga o mesmo caminho da representação. E este foi um grande passo em frente.

tags: ,

publicado por André às 15:29
link do post | comentar | favorito
8 comentários:
De DY a 18 de Fevereiro de 2008 às 16:53
Um grande grande filme!! recomendado para todos!


bigbang.blogs.sapo.pt


De meldevespas a 18 de Fevereiro de 2008 às 17:14
Só um pequeno reparo, este não é o primeiro filme de Sean Penn como realizador (http://www.imdb.com/name/nm0000576/).
Em relação a este filme, é realmente uma experiência extraordinária, de uma simplicidade desconcertante e ao mesmo tempo denso. Gostei muito também.
Parabéns pelo destaque, bem merecido, aliás!


De André a 18 de Fevereiro de 2008 às 17:23
Tens razão, erro meu, já corrigido ;)
Por acaso não tinha noção nenhuma que ele já tinha realizado, e até tenho noção de ter lido qualquer coisa em relação isso. Ou então foi tudo produto da minha imaginação!
De qualquer maneira, muito obrigado pela correcção, e pelo elogio. É muito bem-vindo :)


De perfildeincenso a 18 de Fevereiro de 2008 às 17:22
Vai para a minha lista de filmes a ver, já que todos os comentários são positivos. Beijo


De Loot a 18 de Fevereiro de 2008 às 20:09
Um filme maravilhoso e poderoso. Sean Penn a dar provas que é um excelente realizador e Emile Hirsh deslubra como protagonista, provando que é um nome a ter em atenção no futuro.


De Raquel a 18 de Fevereiro de 2008 às 22:43
É verdade que é um filme muito bom. E também pela representação de Emile Hirsch que apenas conhecia pelo filme The Girl Next Door...!


De tfnduarte a 19 de Fevereiro de 2008 às 11:27
Ta muito louco o blog


De roberto f. a. simoes a 7 de Outubro de 2008 às 23:34
CINEROAD
http://cineroad.blogspot.com/

Pontuação: Muito Bom

Crítica: Natureza vs. Materialismo. Eis a dicotomia que está na base deste excelente argumento. No final, que emociona e angustia bastante, não se percebe qual dos dois acaba por vencer. Emile Hirsch está surpreendentemente bom e a realização de Sean Penn, caracterizada pela confluência estética, eleva-se a alto nível. Destaque ainda para a banda sonora.

CINEROAD
http://cineroad.blogspot.com/


Comentar post

Quem manda aqui


ver perfil

. 9 seguidores

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Fresquinho fresquinho

Relações

Para ver em Abril

Preferências

Boas Festas

Música em 2009

2009 no Last.fm

Uma luz

Lista de prendas

The Past is a Grotesque A...

Novos vícios - 6

Sweet Dee has a difficult...

Boas notícias via Twitter

Cartões

Rádio

The Past is a Grotesque A...

Pesquisar

 

Links

O que vi...

tokyo monogatari

O que ouvi...

Feeds