Domingo, 11 de Maio de 2008

Dicas da Semana #18

Carlos Paredes - Movimento Perpétuo (1971)

 

 

Na grande aventura que é conhecer a música portuguesa, deparo-me com o magnifico Carlos Paredes. Movimento Perpetuo é um álbum constituído por onze faixas que explicam o porquê de muita gente o conhecer como o homem dos mil dedos.

 

Artistas Semelhantes: José Afonso, António Variações

 

 

Esta semana sugiro-vos uma tripla sessão, e esta fica à responsabilidade do senhor Aronofsky. Ele não vos vai desapontar (pelo menos nunca me desapontou a mim). Ora então:

 

Pi (1998)

 

 

 

Requiem for a Dream - A Vida Não É Um Sonho (2000)

 

 

 

The Fountain – O Último Capítulo (2006)

 


publicado por Ângela às 00:00
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Lancelote a 12 de Maio de 2008 às 08:57
Corri este blog de fio à pavio e reconheço...no tema à que se dedicam são, sem sombra de dúvida, o blogfather. Parabéns!
As escolhas, aqui, são brilhantes, especilalmente (para mim) Pi e The fountain.

Paredes... perpétuo e eterno dedilhar que nos fica ao ouvido. Completar-se-ão 4 desde a sua morte no dia 23/07/2008.
Nascido a 16 de Fevereiro de 1925, Carlos Paredes cresceu numa família de músicos e aprendeu a tocar guitarra portuguesa com o seu pai, Artur, aos quatro anos, à revelia da sua que queria que aprendesse a tocar piano. O avô Gonçalo constituíu, também uma importante para o génio.

Mudou-se para Lisboa em 1934, com apenas nove anos, tendo concluído os estudos no Jardim-Escola João de Deus. Depois passou pelo liceu Passos Manuel e pelo Instituto Superior Técnico, sem chegar a terminar o curso
O início de uma longa carreira

O primeiro disco apareceu em 1957 - intitulado «Carlos Paredes» - seguindo-se uma série de bandas sonoras, até ao aparecimento do álbum «Guitarra Portuguesa», que contava com Fernando Alvim à viola.

Seguiram-se «Romance Nº 2», «Fantasia», «Porto Santo» e «Guitarra Portuguesa». O disco «Movimento Perpétuo» surgiu três anos depois, em 1971.

Chegou a estar preso durante a ditadura e durante e após o 25 de Abril tocou em vários pontos do país. No entanto só voltou a editar um disco em 1987. Antes, em 1975, Carlos Paredes toca em «É preciso um país» enquanto que o político Manuel Alegre recita poemas.

O fim da carreira

O músico e compositor conciliou a sua carreira musical com a actividade como administrativo no Hospital de S. José, em Lisboa, até à década de 90.

Em Dezembro de 1993 Carlos Paredes descobre que padece de uma mielopatia, uma doença que mais tarde o impediu de tocar guitarra.

Desde então, o génio da guitarra portuguesa encontrava-se internado na Fundação-Lar Nossa Senhora da Saúde, no bairro lisboeta de Campo de Ourique.

In "www.orostodachuva.blogs.sapo.pt" de 23/07/2004


Beijos e abraços


De Ângela a 12 de Maio de 2008 às 17:29
Obrigada :) **


De Loot a 13 de Maio de 2008 às 20:19
Adoro o trabalho de Aronofsky, mas ainda me falta ver o "Pi" quanto aos outros dois, são brilhantes.


De Ângela a 13 de Maio de 2008 às 20:47
Se tivesse que escolher, o Pi seria o meu segundo favorito, logo atrás do Fountain.
Beijo *


Comentar post

Quem manda aqui

Fresquinho fresquinho

Relações

Para ver em Abril

Preferências

Boas Festas

Música em 2009

2009 no Last.fm

Uma luz

Lista de prendas

The Past is a Grotesque A...

Novos vícios - 6

Sweet Dee has a difficult...

Boas notícias via Twitter

Cartões

Rádio

The Past is a Grotesque A...

Velharias

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Pesquisar

 

Links

O que vi...

tokyo monogatari

O que ouvi...

Feeds