Sábado, 7 de Fevereiro de 2009

Those of us in OZ are actually the normal ones

 

Uma coisa que sempre gostei em OZ foi a naturalidade, originalidade e realismo com que é feita a transmissão dos acontecimentos. Um dos pontos altos acontece no episódio sete (A Town Without Pity) da quarta época, quando o (grande) senhor Zeljko Ivanek é alvejado. O build-up foi quase inexistente (ou, chamemos-lhe eficazmente escondido), levando-nos a esquecer quase por completo aquela parte da história. O que fez com que o momento fosse inesperado e encaixasse perfeitamente, deixando-nos com um sabor a ironia e uma certa satisfação pelo final ser abordado de forma tão simples e eficaz.

tags:

publicado por Ângela às 13:09
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Rita a 9 de Fevereiro de 2009 às 21:56
uma das minhas séries preferidas de sempre.


De Refugee a 14 de Fevereiro de 2009 às 12:48
O'Reilly deixa o gás do fogão aberto, enquanto previne Padraig de rebentar uma bomba que não funciona. É uma ironia supreendente. Sem dúvida, a par d' A Escuta, a minha série preferida.


De Ângela a 14 de Fevereiro de 2009 às 13:04
Se eu ainda não tivesse acabado a época e lesse isto, ia ficar muito chateada =)
Mas sim, é um final alucinante.
The Wire, bem, não gostei dos primeiros 2 episódios, desisti.


Comentar post

Quem manda aqui


ver perfil

. 9 seguidores

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Fresquinho fresquinho

Relações

Para ver em Abril

Preferências

Boas Festas

Música em 2009

2009 no Last.fm

Uma luz

Lista de prendas

The Past is a Grotesque A...

Novos vícios - 6

Sweet Dee has a difficult...

Boas notícias via Twitter

Cartões

Rádio

The Past is a Grotesque A...

Pesquisar

 

Links

O que vi...

tokyo monogatari

O que ouvi...

Feeds